Vereador pede renúncia de Wilma e diz que dinheiro e poder não elegem Henrique

Marcos do PSOL diz que vice-prefeita faltou com respeito à cidade

67io87i6u64u46u

O vereador Marcos Antonio (PSOL) acusou a vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria (PSB), e o presidente da Câmara, Albert Dickson (PROS), de “irresponsáveis”, e pediu a punição de ambos, pela Justiça e pela população que os elegeu, em função de terem renegado a condição de substitutos constitucionais do prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT) durante ausência deste da cidade. Na visão do vereador, Wilma e Albert utilizam o cargo como trampolim eleitoral – ambos serão candidatos nessas eleições – e não a serviço da população. Ele pede a renúncia de ambos.

Wilma e Albert se eximiram de assumir a Prefeitura de Natal durante a viagem do prefeito Carlos Eduardo à Europa. Na oportunidade, a cidade ficou acéfala, até a determinação do juiz Luiz Alberto Dantas, de uma das varas da Fazenda Pública de Natal, determinar a posse do segundo vice da Câmara Municipal, vereador Júlio Protásio (PSB). A posse de Júlio ocorreu após Wilma e Albert informarem à Justiça que estavam fora da cidade. Oficialmente, Wilma e Albert alegaram compromissos anteriores. Extraoficialmente, a vice-prefeita e o presidente da Câmara abdicaram de assumir para não ficarem incompatíveis com a eleição deste ano. Wilma deverá disputar o Senado e Albert, a Assembleia Legislativa.

“Ambos foram irresponsáveis e desrespeitosos com a população de Natal, porque eles foram eleitos, o povo delegou a eles para eles assumirem essas prerrogativas”, disse Marcos, em entrevista ao RN em Debate, da TV União. “Eu acho que foi uma irresponsabilidade total de todos os envolvidos no caso, o prefeito, a vice-prefeita, o presidente da Câmara, além de uma irresponsabilidade uma falta de respeito com a população”, acrescentou.

VERBA PÚBLICA

Marcos Antonio foi mais crítico em relação à suposta omissão de Wilma de Faria. Segundo ele, o Gabinete da Vice-Prefeita recebe R$ 124 mil por mês para ela ser vice. Na visão do vereador, se não é para ser vice-prefeita, assumindo o cargo na ausência do titular, Wilma deve renunciar ao mandato. “É um absurdo porque o gabinete dela recebe R$ 124 mil por mês somente para assumir essa atribuição, e quando chega na hora de assumir ela se esquiva e não assume. Eu acho que a Justiça deveria entrar com um processo, a população de Natal – ela está querendo ser candidata – deveria julgá-la por isso”, afirmou.

Ainda segundo Marcos Antonio, Natal elegeu Wilma e Albert para eles cumprirem a responsabilidade deles. “E na hora em que você se escusa, você se omite, você está relegando e desrespeitando a decisão da população. Está demonstrando que não tem apreço pela cidade. Que não tem respeito pela atribuição. E digo mais, que é muito bem, e regiamente pago pela população para isso. Então eu penso que o juiz deve se aprofundar nesse assunto e até na questão de inelegibilidade dos dois”, afirmou.

“Com todo dinheiro e poder, Henrique Eduardo não ganha essa eleição”

Marcos Antonio criticou, ainda, a candidatura do presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB), a governador do Estado. Segundo ele, “mesmo com todo o dinheiro e com todo o poder que o senhor Henrique diz ter, a população de Natal não vai o eleger”, afirmou.

“Fala-se que o que ganha política é dinheiro, mas eu não acredito só nesse fator. Eu não acredito que, mesmo com todo o dinheiro e com todo o poder que o senhor Henrique diz ter, que a população de Natal vai o eleger, a não ser que queira instalar um novo caos no Rio Grande do Norte, porque se ele tivesse competência, se ele tivesse compromisso, boa vontade política com o Rio Grande do Norte, ele já teria feito alguma coisa no Estado há muito tempo. Esse senhor não passa de um estrangeiro aqui”, criticou, mais uma vez, duramente, o presidente da Câmara, o vereador Marcos Antonio.

Há um mês, Marcos Antonio criticou o líder do PMDB potiguar, afirmando se tratar de um a “parasita da política” no Rio Grande do Norte. Agora, o vereador volta à carga: “Eu ando nas ruas e, do botequim aos shoppings mais requintados da nossa capital eu não vejo voto em Henrique, é uma rejeição”, disse, ao abordar as vaias que o presidente da Câmara recebeu nesta quarta, durante a final do Estadual de Futebol, na Arena das Dunas.

“Esse senhor nunca produziu nada para a sociedade, que não seja politicagem barata, rasteira, mesquinha e pequena. Passou 44 anos como deputado federal e os projetos que ele tem são insignificantes, são paupérrimos. O que ele trouxe para o Rio Grande do Norte foi o atraso que nós temos hoje, com uma população que está 34% na pobreza absoluta e 17% na pobreza extrema, que é você sobreviver com menos de US$ 70, ou seja, com menos de R$ 150 por mês”, apontou Marcos Antonio.

Para ele, “Henrique é um cidadão que nunca deu um prego numa barra de sabão, é um profissional da política”, disse. “44 anos é tempo mais do que suficiente para se avaliar um cidadão. Se esse cidadão, em 44 anos, não produziu nada, a população do Rio Grande do Norte tem mesmo é que manifestar nas urnas o que a gente sabe nas ruas”, disse. Segundo Marcos Antonio, “se Henrique tivesse competência, se tivesse compromisso, boa vontade política com o Rio Grande do Norte, já teria feito alguma coisa no Estado há muito tempo”.

Compartilhar: