Vetado, principal barra brava argentino vê jogo com disfarce de suíço

Bebote é um dos nomes de primeiro escalão na lista de 2100 torcedores com histórico de violência

Bebote, de ingresso na mão e disfarçado de suíço, faz festa no Brasil. Foto: divulgação
Bebote, de ingresso na mão e disfarçado de suíço, faz festa no Brasil. Foto: divulgação

Principal líder da fragmentada Hinchadas Unidas Argentinas (União das torcidas argentinas), Pablo Álvarez, o Bebote, burlou as autoridades brasileiras com um disfarce de suíço. Em sua conta no Facebook, o temido torcedor do Independiente-ARG publicou foto a caminho de Argentina x Suíça na Arena Corinthians, em São Paulo. Ele não poderia estar no local.

Bebote é um dos nomes de primeiro escalão na lista de 2100 torcedores com histórico de violência que o governo da província de Buenos Aires enviou às autoridades brasileiras. Ao publicar a foto em São Paulo, declarou ironicamente: “Bebote 2 x 0 Ministério de Segurança”. A advogada do torcedor, Debora Hambo, confirmou a veracidade das fotos.

Na partida anterior entre Argentina e Nigéria, o líder dos violentos barras bravas argentinos também teve acesso ao Beira-Rio e publicou foto com uma mensagem irônica às autoridades que realizam controle de fronteiras de acesso ao Brasil. “Bebote 1 x 0 Polícia Federal Argentina”, escreveu.

Um dos principais aliados dos argentinos no Brasil, Gilberto Viégas chegou a cumprimentar Pablo Álvarez pelo disfarce bem sucedido no jogo em São Paulo. “Dando nó em pingo d’água. Grande ideia, só pessoas inteligentes para agir assim, grande Bebote”, escreveu o Giba.

Candidato a presidente nas eleições do Independiente-ARG e amigo do atacante Kun Agüero, Pablo Álvarez foi deportado ao tentar ingressar de maneira ilegal na África do Sul há quatro anos. Na ocasião, Bebote tomou um voo de Angola, mas acabou barrado.

Com um largo e controverso histórico, o líder argentino chegou a ser citado por Claudio Cancio, secretário administrativo do Independiente, após assalto. Na ocasião, a família de Cancio foi feita de refém em casa e o dirigente se recordou de uma declaração de Bebote uma semana antes. “Não estou conseguindo segurar os companheiros”, disse à época. Pablo Álvarez, que negou envolvimento, é inimigo declarado de Javier Cantero, presidente do clube.

Fonte: Terra

Compartilhar: