Viagem à Bélgica e Holanda oferece o melhor da gastronomia milenar

Tomar cerveja nos canais de Amsterdã é um dos atrativos da viagem; capital liberal da Europa promete noite agitada para os menos conservadores

Conr6

Conrado Carlos

Editor de Cultura

Dois países pequenos, ricos, influentes, cuja beleza natural foi incrementada com algumas das maiores realizações do engenho humano. Bélgica e Holanda são nações coirmãs (tanto que sediaram juntas o Campeonato Europeu de Futebol, em 2000), que abrigam parte do suprassumo das expressões artísticas e gastronômicas dos vizinhos poderosos – a saber, alemães e franceses. Se você pensa em viajar na Semana Santa e tem cerca de R$ 6.500,00 disponíveis para o intento, afaste qualquer dúvida e compre um pacote para visitar Amsterdã, Rotterdã, Bruges e Bruxelas, pois acima do prazer descompromissado por sair por uns dias da terra natal, uma série de atrações ajudará em seu enriquecimento cultural.

Uma das opções do mercado natalense é vendido pela Sunline Turismo. Com parte área, passeios, guias-acompanhantes, ônibus para o traslado entre as cidades e hospedagem em hotel quatro estrelas inclusos, o viajante perfaz o circuito das tulipas, dos chocolates e das cervejas, como uma das mais procuradas experiências sensitivas em todo o mundo. São sete dias (entre 14 e 21 de abril) por lugares de arquitetura impressionante, palco de episódios históricos, como a Segunda Guerra Mundial e o apogeu da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, emblema do tempo em que os neerlandeses eram senhores da Europa – ancorados no primeiro sistema bancário, como nos moldes atuais.

Para a proprietária da Sunline e diretoria da Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV), Ana Carolina Costa, a união dos atrativos belgas e holandeses com a data religiosa agradou quem procurou pelo pacote, a ponto de metade das vagas estarem preenchidas, a pouco menos de um mês do embarque. “A ideia é levar o natalense para comer chocolate belga na Páscoa e tomar a verdadeira cerveja holandesa nos canais de Amsterdã. São pessoas que procuram pela culinária, por toda essa variedade cultural dos dois países. Como o natalense gosta de cerveja, a procura tem sido boa, pois ir à Europa custa quase o mesmo preço investido em um resort [pela região Nordeste]”.

Somadas, as populações dos dois países beiram os 20 milhões de habitantes. Número suficiente para produzir um time de craques da cultura mundial – a lista é interminável, mas merecem registro, os pintores René Magritte, Rembrandt, Vincent Van Gogh, Willem De Kooning e Johannes Veermer, o jazzista Django Reindhart, os filósofos Erasmo de Rotterdã, René Descartes, Baruch de Spinoza e por aí vai. Referência em meio aos mestres cervejeiros e aos chocólatras, a cozinha dessa região é um caldeirão de influências. Marcas, como as cervejas Hoegaarden, Leffe, La Binchoise e Chimay são reconhecidas mundialmente como as melhores produzidas no terceiro planeta mais perto do Sol.

Em Bruxelas, a excursão visitará catedrais, como a de São Bavon, com o políptico, conjunto de quadros “A Adoração do Cordeiro Místico”, de Jan Van Eyck; a Basílica do Sangue Sagrado, igreja onde está preservado o sangue de Jesus. Já em Bruges, a Praça Buró, a Central e os românticos canais e o Lago do Amor entram no roteiro. Enquanto Amsterdã mostra o pleno funcionamento da Cidade das Bicicletas e do maior jardim de tulipas do mundo, o Keukenhof. – mais 45 museus, diversos teatros, cinemas, dança, concertos (a orquestra sinfônica local é uma das melhores do mundo), e a agitada vida noturna.

Já na cultura alternativa, os museus Erótico, da Marijuana (Maconha), do Sexo e da Tortura e o bairro da Luz Vermelha (Red Light Zone), onde concentram-se sex shops e vitrines com profissionais do sexo, transformam Amsterdã no centro notívago por excelência – e promete instigar os menos conservadores. “Todo ano nós fazemos essa viagem da Semana Santa para algum destino. Em 2013 foi para o Leste Europeu. Foi um sucesso. Agora esperamos o mesmo de Bélgica e Holanda, com gente de todas as idades nos procurando. Muitos casais e viúvas já fecharam conosco. Como as pessoas mais velhas querem companhia, eu mesma acompanho o grupo”, diz Ana Carolina.

 

Compartilhar:
    Publicidade