Vítima de cotovelada adia sonho de faculdade: “Sonhos foram interrompidos”

Auxiliar de produção foi obrigada ainda a se afastar do trabalho; caso chocou pela brutalidade

Fernanda ficou 16 dias internada, dez deles na UTI. Foto: Divulgação
Fernanda ficou 16 dias internada, dez deles na UTI. Foto: Divulgação

Ainda em processo de recuperação, a auxiliar de produção Fernanda Regina Cézar, 30 anos, agredida com uma cotovelada no rosto no dia 16 de agosto, em São Roque, interior de São Paulo, foi obrigada a suspender seus projetos de vida. Fernanda, que ficou internada por 16 dias — dez deles na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) —, está recebendo em casa o acompanhamento de uma equipe formada por neurologista e enfermeiros. De acordo com o irmão dela, o universitário Eduardo Cézar, Fernanda sofre de fortes dores de cabeça e apresenta falhas de memória. Ele diz que o episódio interrompeu os planos da irmã, que precisou se afastar do trabalho e adiar o ingresso na faculdade.

“É ruim, porque ela iria estudar agora. Iria fazer faculdade de gestão empresarial e, no fim das contas, acabou tendo essa intercorrência. A vida dela ficou toda atrapalhada. Isso [a agressão] interrompeu os planos dela. Ela poderia estar fazendo o curso dela, o serviço dela e está em uma situação desta. Para a gente, é mais uma preocupação.”

Fonte: R7

Compartilhar: