Viúvo é preso acusado de mandar matar a mulher grávida de seis meses

Suelen de Souza Salles foi estrangulada e facada no início de abril, dentro da sua própria casa, em São Gonçalo

Rodrigo Folly Cuzzol foi preso na manhã desta sexta-feira, em São Gonçalo. Foto: Divulgação
Rodrigo Folly Cuzzol foi preso na manhã desta sexta-feira, em São Gonçalo. Foto: Divulgação

Rodrigo Folly Cuzzol, marido de Suelen de Souza Salles, que foi assassinada grávida de seis meses, no dia 7 de abril, foi preso na manhã desta sexta-feira, por policiais da Divisão de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo. Ele foi apontado pela sua amante, Flávia da Silva Ramos, que está presa, como o autor do crime que aconteceu na casa do casal, em São Gonçalo, na Região Metropolitana. Rodrigo teve a prisão temporária de 30 dias decretada pela Justiça.

O viúvo sempre alegou inocência e culpava a amante como autora do crime. “Eu e minha esposa somos as vítimas. Ela (Flávia) é a pessoa que assassinou minha esposa e o meu bebê motivada pela inveja. Tudo vai provado e esclarecido, eu não tenho nenhum envolvimento”, afirma.

Dias após o assassinato da filha, Manoel Augusto Sales dizia acreditar na inocência do genro. “Tinha ele como um filho. Ele cometeu um erro a qual todo mundo está sujeito, que é um caso extraconjugal. Não imaginava que poderia acontecer essa tragédia. Considero ele meu genro, uma pessoa do bem. Ele não mediu as consequências do ato dele. A verdade vai prevalecer. Ela (Suelen) recebeu um anjo do demônio que foi enviado por essa mulher para sondar e revelar o dia e a hora de ela ser executada”, disse na época.

Fonte: IG

Grávida de seis meses, Suelen de Souza Salles foi morta no dia 7 de abril, dentro de sua própria casa, em São Gonçalo. Ela estava com sinais de estrangulamento, cortes no pescoço e as mãos amarradas para trás. Foto: Divulgação
Grávida de seis meses, Suelen de Souza Salles foi morta no dia 7 de abril, dentro de sua própria casa, em São Gonçalo. Ela estava com sinais de estrangulamento, cortes no pescoço e as mãos amarradas para trás. Foto: Divulgação
Compartilhar:
    Publicidade