‘Vou exigir que a Band dê segurança’, diz filha em Velório de Santiago

No dia em que foi atingido pelo rojão, Santiago estava sem capacete ou qualquer equipamento de segurança

Arlita Andrade, mulher do cinegrafista morto no protesto. Foto: Mauro Pimentel / Terra
Arlita Andrade, mulher do cinegrafista morto no protesto. Foto: Mauro Pimentel / Terra

A filha do cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade, morto após ter sido atingido por um rojão durante um protesto na quinta-feira da semana passada, disse que irá cobrar a emissora mais segurança em relação aos seus funcionários. “Não vou deixar o nome do meu pai em vão, não vou deixar a história morrer e vou exigir que a Band dê segurança aos seus funcionários”, disse Vanessa Andrade.

Essas foram as poucas palavras ditas pela jovem no velório do pai, na manhã desta quinta-feira, no Memorial do Carmo, no Rio de Janeiro. A declaração foi dada enquanto o arcebispo do Rio de Janeiro e novo cardeal da Igreja Católica, Dom Orani Tempesta, rezava uma missa de despedida do Santiago.

No dia em que foi atingido pelo rojão, Santiago estava sem capacete ou qualquer equipamento de segurança. Além disso, ele estava sozinho no meio da manifestação, que começou a ficar violenta.

Atingido em protesto, cinegrafista tem morte cerebral
Santiago foi atingido na cabeça por um rojão durante a cobertura de um protesto contra o aumento das passagens de ônibus no Centro do Rio de Janeiro, no dia 6 de fevereiro. Além dele, outras seis pessoas ficaram feridas na mesma manifestação.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, o cinegrafista chegou em coma ao hospital municipal Souza Aguiar. Ele sofreu afundamento do crânio, perdeu parte da orelha esquerda e passou por cirurgia no setor de neurologia. A morte encefálica foi informada pela secretaria no início da tarde de 10 de fevereiro, após ser diagnosticada pela equipe de neurocirurgia do hospital onde ele estava internado no Centro de Terapia Intensiva.

O tatuador Fábio Raposo confessou à polícia ter participado da explosão do rojão que atingiu Santiago. Ele foi preso na manhã de domingo em cumprimento a um mandado de prisão temporária expedido pela Justiça. O delegado Maurício Luciano, titular da 17ª Delegacia de Polícia (São Cristóvão) e responsável pelas investigações, disse que Fábio já foi indiciado por tentativa de homicídio qualificado e crime de explosão e que a pena pode chegar a 35 anos de reclusão.

Raposo ajudou a polícia a reconhecer um segundo responsável pelo disparo do artefato que causou a morte do cinegrafista. O tatuador, preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, na zona oeste do Rio de Janeiro, afirmou, de acordo com o relato do delegado, que “eles se encontravam em manifestações” e que “esse rapaz tem perfil violento”.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro divulgou, na manhã do dia 11, uma foto do suspeito de ter acendido o rojão que atingiu Santiago Andrade. Caio Silva de Souza, 23 anos, tem duas passagens pela polícia e era considerado foragido desde que foi expedido um mandado de prisão temporária em seu nome. Fábio Raposo, que passou o rojão, reconheceu o autor do disparo a partir da imagem levada pelo delegado.

Procurado por homicídio doloso qualificado – quando há intenção de matar – por uso de artefato explosivo e pelo crime de explosão, o suspeito foi preso na madrugada de 12 de fevereiro em uma pousada na cidade de Feira de Santana, na Bahia. De acordo com o advogado Jonas Tadeu Nunes, que também defende Fábio Raposo, Caio Silva de Souza seguia em direção ao Ceará, para a casa de um avô, mas foi convencido a se entregar. Ele não reagiu ao ser preso.​

 

Fonte: Terra

Compartilhar:
    Publicidade