Walfredo Gurgel receberá novo investimento de R$ 1 mi em 2014

Pronto Socorro Clóvis Sarinho passará por mais adequações

Principal hospital do Estado, Walfredo Gurgel passou por mais um ano de superlotações, mas registrou avanços durante 2013. Foto: Divulgação
Principal hospital do Estado, Walfredo Gurgel passou por mais um ano de superlotações, mas registrou avanços durante 2013. Foto: Divulgação

Continuando o processo de investimentos na qualificação da assistência no Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG), o Pronto Socorro Clóvis Sarinho passará por novas adequações em sua área física. As obras contemplarão desde a porta de entrada da urgência do trauma, a serviços como recepção, endoscopia, diálise, entre outros. Nesta segunda fase serão injetados cerca de 1 milhão de reais. O recurso é parte da política de melhoria das unidades de saúde ao redor do país que integram o Programa SOS Emergência.

Segundo a diretora técnica do HMWG, Hélida Bezerra, “este ano recebemos do Ministério da Saúde (MS) 10 milhões para verba de custeio (compra de material, medicamentos). De 2012 para 2013, recebemos 1 milhão para compra de material permanente. Destes, 80% já foram investidos. Os outros 20% não puderam ser gastos devido a licitações fracassadas ou desertas e estamos renovando estes editais”, explica.

A diretora também conta que o hospital conseguiu junto ao Ministério da Saúde a aprovação de um projeto de 3,5 milhões para a compra de material permanente. O trâmite legal, porém, ainda está em fase de conclusão. “Fizemos esse projeto em meados de julho e encaminhamos para o MS. Nele está contemplada a aquisição de material de cirurgia, arco digital e foco cirúrgico, um tomógrafo novo, carro de anestesia, muita coisa mesmo”.

Na área administrativa e na assistencial, outras ações do SOS Emergência também já mostraram resultados. A criação do Núcleo de Assistência à Qualidade Hospitalar é uma delas. Com apenas 10 meses de trabalho efetivo, as atividades do grupo já conseguiram melhorar os fluxos de atendimento no Pronto Socorro. Para tanto, a utilização da ferramenta Kam Bam foi fundamental. Esse modelo de monitoramento permitiu identificar os pacientes que estavam no hospital há mais de três dias, por exemplo, e apontar quais as causas dessa permanência. “As pessoas agora estão mais atentas a esta questão do tempo, atrelada a qualidade da assistência”.

Compartilhar: