Walter Alves: “Pelo que sei, a chapa está fechada com Henrique, João e Wilma”

Deputado do PMDB desmente mudança na chapa majoritária e confirma anúncio para próxima sexta-feira

Walter Alves descarta mudança no cargo de vice: “Conversei com Garibaldi e ele me disse que o nome seria João Maia”. Foto: Divulgação
Walter Alves descarta mudança no cargo de vice: “Conversei com Garibaldi e ele me disse que o nome seria João Maia”. Foto: Divulgação

Alex Viana

Repórter de Política

O deputado estadual Walter Alves confirmou a presença do deputado federal João Maia, presidente do Partido da República no Rio Grande do Norte, como companheiro de chapa do pré-candidato do PMDB a governador do Estado, Henrique Eduardo Alves. A chapa será lançada na próxima sexta-feira, durante evento no Hotel Praia Mar, em Ponta Negra.

“Pelo que sei, a chapa está fechada. Os pré-candidatos são o deputado federal Henrique Eduardo Alves, atual presidente da Câmara, a governador, a ex-governadora Wilma de Faria candidata ao Senado pelo PSB, e o vice-governador será o deputado federal João Maia, pelo PR”, afirmou Walter, durante entrevista esta manhã ao “Jornal da Cidade”, da FM 94.

Durante todo o dia de ontem, surgiram em setores da imprensa boatos de que Henrique havia alterado a composição da chapa, deslocando João da condição de vice para contemplar o PDT do prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, e do deputado estadual Agnelo Alves. As especulações deram conta de que o PDT indicaria o prefeito de Parnamirim, Maurício Marques, para vice.

Também se cogitou que o atual chefe do Gabinete Civil do governo do Estado, Sávio Hackradt, poderia ser o indicado pelo PDT. O final de semana que passou foi marcado por conversas entre os principais líderes da chapa com representantes do PDT, o que deu azo às especulações. Apesar disso, Walter negou alteração na chapa.

“Conversei com Garibaldi e ele me disse que o nome seria o deputado João Maia”, afirmou o deputado, passando a enaltecer o republicano. “Eu quero aqui ressaltar que João Maia é um nome que agrega, é capaz, um nome que tem dois mandatos de deputado federal, que já foi secretário de estado, é presidente do PR, um partido importante no RN”, destacou.

Segundo Walter Alves, que é filho do ministro da Previdência, Garibaldi Filho, a presença de João Maia na chapa com Henrique Alves “agrega”, tornando a chapa “competitiva”, ajudando o grupo a mostrar os projetos para o RN e, acima de tudo, como fazer.

Nesta manhã, a vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria, e correligionários do PSB embarcaram para Recife, onde teria uma conversa com o presidente nacional do PSB, governador de Pernambuco Eduardo Campos. Na pauta, o anúncio da aliança com o PMDB e da chapa na próxima sexta com Henrique e Wilma disputando os cargos majoritários.

Caso anuncie a aliança com o PMDB nesta sexta, Wilma encerra, pelo menos em tese, as especulações de que poderia desistir da aliança com o PMDB para disputar o governo do Estado. Wilma é hoje uma potência eleitoral no Rio Grande do Norte, ao lado dos senadores Garibaldi e José Agripino (DEM).

Caso chegue ao Senado nas eleições deste ano, a ex-governadora representará o Estado ao lado de outros dois ex-governadores do Rio Grande do Norte. Com Wilma alojada no Senado, Agripino e Garibaldi disputarão novamente o Senado, em 2018, sem nenhum concorrente de peso eleitoral que venha a desestabilizar suas reeleições, consideradas asseguradas.

Walter, sobre Wilma: “Ninguém ganha eleição só”

Apesar de tudo indicar que a ex-governadora Wilma de Faria irá disputar o Senado Federal ao lado do PMDB, há quem aposte que a socialista poderia recuar da aliança com os peemedebistas para se dedicar a uma campanha ao governo do Estado. Instado a falar sobre esta possibilidade, o deputado Walter Alves afirmou que “ninguém ganha eleição só”.

Deve-se esta declaração do peemedebista ao fato de que se Wilma for disputar o governo, ela não teria aliados de pesos no projeto. Além disso, a socialista teria, muito provavelmente, um adversário de peso na disputa, no caso, o ministro da Previdência, Garibaldi Filho, senador licenciado.

Contudo, a própria Wilma tem dito que sua preferência é pelo Senado, vez que a atividade de senadora da República nunca foi desempenhada pela ex-governadora. O Senado é considerado, por sua natureza de representação do Estado, também, como uma casa de ex-governadores. Lá estão dois ex-governadores, que governaram o Estado por duas vezes. Wilma governou por duas oportunidades, tentou chegar ao Senado em 2010, mar perdeu justamente para Agripino e Garibaldi.

Em 2014, Agripino e Garibaldi não serão candidatos. Afinal, o mandato de senador é de oito anos. Restam quatro para o término. “Ninguém ganha eleição só. E nesse momento de tantas dificuldades é necessária essa união. Pelo que sei, está fechada a chapa e será anunciada sexta-feira no hotel Praia Mar em Ponta Negra”, disse Walter.

A chapa Henrique governador, João vice e Wilma senadora contaria com o apoio do senador José Agripino Maia. Primeiro porque aloja Wilma no Senado, sendo, portanto, um adversário de peso a menos na disputa pela reeleição dele ao Senado em 2018. O outro grande adversário de peso a ser “abatido” dos planos de Agripino e Garibaldi para 2018 atende pelo nome de Rosalba Ciarlini.

Se a atual governadora for reeleita – o que não é o sonho de Agripino e Garibaldi – ela seria uma potencial adversária de Garibaldi ou Agripino em 2018. Já que todo governador no desempenho do segundo mandato tenta chegar à casa de ex-governadores que é o Senado. Portanto, a retirada de Rosalba do páreo, com a eleição de Henrique governador, é tido como estratégica para Agripino e Garibaldi. “O candidato a governador pelo PMDB é o deputado Henrique Alves”, afirma Walter Alves.

Para Walter, o governo de Rosalba “foi um governo que não deu certo”. Ele acrescenta que a gestora é afável e bem intencionada. Todo “Mas todo governo ao assumir tem que enfrentar um estado de dificuldade, mas esse governo não fez reformas importantes, não planejou, não fez mapeamento do Estado para atrair indústrias, preparar o Estado”, avaliou.

Compartilhar: