Wilma chama Rosalba de mentirosa e diz que ela superfaturou barragem em R$ 30 milhões

Wilma de Faria responde a ataque feito pela atual governadora, a quem classificou como mentirosa

Wilma-de-Faria-JA

Alex Viana

Repórter de Política

A presidente do PSB, vice-prefeita de Natal Wilma de Faria, declarou que a governadora do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini (DEM), “é mentirosa”, e superfaturou a obra da barragem de Oiticica em cerca de R$ 30 milhões. As palavras de Wilma foram proferidas em entrevista aO Jornal de Hoje, ao abordar as declarações recentes de Rosalba, que afirmou ter herdado o projeto de Oiticica superfaturado do governo Wilma de Faria.

“Ela é mentirosa. Mentira dela sobre a barragem de Oiticica. Cancelei uma licitação que vinha do passado (governos anteriores). Fiz uma licitação que foi a que prevaleceu, inclusive com a mesma empresa, e ela (Rosalba) aumentou R$ 30 milhões na licitação que nós fizemos”, afirmou Wilma.

“Rosalba fica mentindo, e ninguém questiona. Só porque é governadora, ficam paparicando. Tem que investigar. O ex-governador Iberê Ferreira de Souza (PSB) está vivo para contar a história. Os assessores do governo da época dele na área de recursos hídricos também. É só ver a licitação feita na nossa administração. Se houver superfaturamento, foi Rosalba que fez”, contratacou Wilma.

Na semana passada, durante evento municipalista na Assembleia Legislativa, Rosalba afirmou que o Tribunal de Contas do União (TCU) identificou superfaturamento da ordem de R$ 30 milhões na obra de Oicitica, uma barragem que servirá como “pulmão” para o sistema de recursos hídricos do Estado, localizada no município de Jucurutu, no Seridó potiguar.

A declaração de Rosalba se deu num contexto de polêmica com o deputado estadual Nélter Queiroz (PMDB), que afirmou, no mesmo evento, que Rosalba ursurpava obras feitas com recursos federais, afirmando que eram feitas pelo governo do Estado, e não pelo governo Dilma Rousseff (PT).

Rosalba disse que o projeto superfaturado foi elaborado no governo Wilma de Faria. “No governo passado, o governo federal fez o convênio, só que na hora de iniciar a obra, o TCU detectou superfaturamento da ordem de R$ 30 milhões. Quando eu assumi, fui desatar esse nó grande. Fui ao TCU muitas vezes para que pudéssemos ter o projeto aprovado, com uma readequação, que corrigia essa distorsão”, disse Rosalba.

Ao defender-se, Wilma declarou que “Rosalba não merece resposta. O que ela precisa é dar resposta ao povo do RN em função do governo que está hoje um caos. E nós temos que encontrar a saída para o estado. E essa união da classe política (aliança dela com o PMDB, o PR e outros partidos) precisa existir para termos um RN melhor de se viver e onde os serviços essenciais funcionem”.

PARADO

Ainda como resposta, Wilma desabafou: “Estou cansada de fazer oposição, e agora o povo fica paparicando (Rosalba). O Estado está parado, as coisas todas que estão acontecendo fomos nós que iniciamos. A barragem de Oiticica, o aeroporto e as obras que Rosalba deixou paradas, como o Terminal Pesqueiro, o prolongamento da Prudente de Morais, que deixamos o dinheiro em caixa. Ela só está fazendo parte do saneamento e fez o estádio que a gente deixou o projeto pronto. Ela não tem feito adutoras, os poços não foram instalados, nada disso tem sido feito em favor do homem do campo. Na assistência social parou tudo. A Central do Cidadão está sendo gerida de forma caótica, o Compra Direta e o Programa do Leite estão de mal a pior”, criticou Wilma.

Indagada o que significaria “paparicando” a governadora, Wilma afirmou: “Paparicando que eu quero dizer é porque ela diz uma inverdade lá na Assembleia, e a imprensa não especula nem vai procurar saber como foi o contrato de Oiticica antes e como é hoje. Todo mundo sabe que houve licitação superfaturada e que a gente cancelou a licitação. O projeto tinha sido feito há não sei quantos governos antes e fizemos uma nova licitação. O processo foi feito por Josemar Azevedo, homem de bem e doutor nesse assunto. E, na verdade, a barragem é o pulmão da integração das bacias da região do Seridó”, ressaltou.

IRREGULARIDADES

Ainda segundo Wilma, é preciso esmiuçar os processos que existem contra Rosalba. Ela citou, como exemplo desses processos, irregularidades e superfaturamento no Hospital da Mulher, em Mossoró, onde uma auditoria do Tribunal de Contas do Estado (TCE) identificou superfaturamento da ordem de R$ 8 milhões, e também os problemas envolvendo a irmã da governadora, a ex-deputada estadual e médica Ruth Ciarlini, flagrada recebendo plantões sem trabalhar no Hospital Tarsício Maia, em Mossoró.

Wilma, sobre escândalos: “Quem me defende é o povo”

Abordada sobre as negativas de líderes do PMDB em defendê-la durante a campanha vindoura, devido aos escândalos administrativos do seu governo, Wilma afirmou que quem a defenderá será o povo do Rio Grande do Norte. Ela também afirmou que a aliança com o PMDB está sacramentada, com ela disputando o Senado e o PMDB indicando o atual presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, candidato a governador.

“Quem defende a mim é o povo do RN, e o trabalho é a minha vida de prestação de serviços, a comparação que o povo faz das ações que realizamos, as obras que fizemos, os programas que implementamos. Isso que está dando grande ibope e estamos hoje em situação muito boa em relação à liderança nas pesquisas, carinho do povo, confiabilidade que o povo tem na minha pessoa, nos meus atos e na minha gestão”, afirmou Wilma.

Na última segunda-feira, o ministro da Previdência, Garibaldi Filho (PMDB), afirmou que defenderá a chapa, não exatamente a ex-governadora Wilma de Faria. Segundo o ministro, quem julga, em última instância, é o povo.

Instado a falar se defenderia Wilma durante a campanha, em vista dos escândalos administrativos da gestão pessebista, o ministro declarou: “Eu vou defender a nossa chapa. Eu vou defender as pessoas, as qualidades, os méritos que as pessoas têm para enfrentar os problemas do Estado”, declarou o ministro, ao ser abordado esta manhã por O Jornal de Hoje.

As palavras do ministro foram uma resposta à declaração da governadora Rosalba Ciarlini, que, na sexta-feira da semana passada, indagou se os peemedebistas haviam esquecido os “escândalos do passado”, numa referência à gestão Wilma de Faria. Wilma enfrenta ações na Justiça da época que governava o Estado. Num deles, da chamada operação Hygia, a ex-governadora teve o filho, Lauro Maia, preso pela Polícia Federal. Ele foi condenado na primeira instância a 16 anos de prisão, mas recorreu da sentença e aguarda em liberdade. Outros escândalos administrativos do governo Wilma foram o Foliaduto, Sinal Fechado e Ouro Negro. Todos com participação de parentes ou com suspeita de participação da própria governadora. Em vários deles é aguardado para a qualquer momento o desfecho pela Justiça. “Eu acho que a justiça será feita, e quem vai fazer, em última análise, justiça, mesmo, será o povo nas urnas. Vamos confiar no povo e cada um fale a linguagem que achar mais apropriada”, afirmou o ministro, ainda se referindo às palavras da governadora.

“Não estamos entrando em discussões de ordem pessoal, acusações. Estamos preocupados em realmente discutir os problemas do Estado”, rebateu Garibaldi na manhã desta segunda-feira, em sua primeira declaração política após retornar de uma viagem em férias pela Europa. O ministro tratou de expor o seu discurso, defendendo que o debate se dê em nível mais elevado. “Vamos apresentar proposta voltadas para solucionar os problemas do Estado, programa de governo. Acho que a campanha precisa ser feita em outro nível, não no nível das discussões de ordem pessoal. Eu acho que essas discussões de ordem pessoal, de acusações, diatribes, uns falando mal dos outros, isso deverá ficar para trás. O estado precisa que se discutam os seus reais e verdadeiros problemas. Os problemas estão aí e o povo sabe melhor que ninguém e vai saber julgar. Eu, como cidadão que tive a oportunidade de exercer vários cargos eletivos, confio na capacidade de julgamento do nosso povo”.

“Aliança com Henrique está certa. Não há expectativa de mudança”

Pré-candidata ao Senado Federal, a ex-governadora Wilma de Faria afirmou que a aliança com o PMDB, do pré-candidato a governador Henrique Eduardo Alves, “está certa”, e que não há expectativa de mudança desse quadro. Wilma também afirmou que as conversas com o presidente nacional do PSB, presidenciável Eduardo Campos, também já foram efetuadas, resultando na “benção” de Campos à união entre Wilma e Henrique no Rio Grande do Norte.

“Já anunciei para o RN que a situação do PSB é tranquila. Conversamos com o presidente da executiva. Outros estados estão na mesma situação do RN.

As coisas estão abertas para as coligações. Como foi dito por Eduardo Campos, que não ia ter a verticalização, que nós poderíamos fazer a aliança que fosse importante para nós.

Está tudo certo. Não tem nenhuma expectativa de mudança”, afirmou Wilma.

Compartilhar:
    • Ferreira

      A suja falando da mal lavada… heheheheehehe…

    • luiz

      é dona WILMA mas se a chapa for essa mesmo infelizmente não vai ganhar ..! muita gente não vai com a cara de HENRIQUE ……..