Wilma de Faria garante: “Candidatura de Marina Silva crescerá ainda muito mais”

Presidente do PSB no RN espera aumento da candidata a Presidência a medida que povo a conhecer melhor

Wilma: “Marina já tem reconhecimento na população brasileira, dos eleitores. O crescimento será ainda maior nos próximos dias”. Foto: Arquivo
Wilma: “Marina já tem reconhecimento na população brasileira, dos eleitores. O crescimento será ainda maior nos próximos dias”. Foto: Arquivo

Alex Viana

Repórter de Política

 

A presidente estadual do PSB e candidata ao Senado, Wilma de Faria, afirmou na manha desta quarta-feira, após o resultado da pesquisa Ibope que coloca Marina Silva, candidata do seu partido à Presidência da República, com chances reais de crescer e derrotar os adversários Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), e assumir o maior cargo do país, que a candidata do PSB vai crescer ainda mais. Segundo Wilma, à medida que as pessoas forem conhecendo as propostas de Marina, a tendência é que a substituta de Eduardo Campos (PSB) na corrida presidencial avance e derrote seus oponentes.

Para Wilma, o segundo turno na eleição presidencial já está assegurado. E as pesquisas mostram que, havendo segundo turno, entre Marina e Dilma, a ex-ministra do Meio Ambiente vence a eleição. “A candidatura de Marina Silva vai crescer ainda mais. A pesquisa do Ibope divulgada nesta terça-feira mostra, claramente, que haverá segundo turno na disputa presidencial”, afirmou Wilma. Enquanto a presidente Dilma Rousseff tem 34%, todos os outros candidatos somados ficaram com 51%. “Isso com Marina Silva em segundo lugar, com 29%, dez pontos à frente do senador Aécio Neves e com uma diferença de cinco pontos para Dilma Rousseff”, diz Wilma.

No segundo turno, Marina fica com 45%, ante 36% de Dilma. “A candidatura de Marina, portanto, já tem um reconhecimento na população brasileira, dos eleitores. O crescimento será ainda maior nos próximos dias e semanas. Deverá ser mais expressivo na medida em que Marina Silva apresentar e explicar mais detalhadamente as propostas que integram o seu programa de governo. Alguns desses projetos já tinham sido apresentados por Eduardo Campos. Agora, o debate vai prosseguir e quanto mais oportunidades ela tiver para informar os eleitores, maior será o reconhecimento, porque as propostas são consequentes e visam a um desenvolvimento sustentável”, afirmou Wilma.

Wilma atribui o desempenho de Marina nas pesquisas a toda uma história na vida pública associada à presidenciável. “Quando foi senadora, ministra, e mesmo na militância nos movimentos sociais, sempre demonstrou compromisso com a sustentabilidade, com a Justiça Social e com a melhoria da qualidade de vida no País. Nas eleições anteriores, teve aproximadamente 20 milhões de votos. Agora, vai ter um reconhecimento ainda maior, como mostram as pesquisas”, diz Wilma.

Ainda de acordo com a presidente estadual do PSB, aliado a essa história na vida pública, Marina tem um programa de governo consistente e que será apresentado e discutido no horário eleitoral do rádio e da televisão, nos debates e nas entrevistas que ela conceder ao longo na campanha. “Com essas características, Marina terá um desempenho notável, caminha para a vitória. E, naturalmente, será a vitória do povo brasileiro, que quer mudanças. O país precisa de uma alternativa e Marina tem amplas condições de representar uma mudança segura, no rumo que a população almeja”.

Wilma destaca a experiência de Marina como senadora e ministra e as propostas que têm alcance social e popular como destaques da presidenciável. “Podemos citar o passe livre e a ampliação, para 10% da receita bruta da União, dos recursos para a Saúde. Nas áreas como segurança e educação, os compromissos de Marina Silva também são sólidos. Ela defende um pacto pela vida. Não podemos esquecer a trajetória de luta pelo desenvolvimento sustentável. Além disso, já afirmou que, no governo, vai se empenhar por uma união de todos aqueles que querem a melhoria das condições de vida do povo brasileiro. São compromissos que também vamos defender no Senado. Tudo isso são aspectos que podemos destacar na candidatura de Marina”, afirmou Wilma de Faria.

Concorrendo ao Senado pela segunda vez, Wilma de Faria disse que a candidatura de Marina Silva também é importante para o Rio Grande do Norte, sobretudo por ter compromissos com medidas que possam combater as desigualdades regionais. Outro aspecto importante, segundo ela, é que Marina sempre esteve preocupada com a situação da população que mais precisa da atuação do Estado. “Defendemos propostas comuns, como o passe livre, apoio aos micro empreendedores e incentivo à inserção do jovem no mercado de trabalho. Com isso, a campanha de Marina Silva é muito importante para todos nós que fazermos o PSB no Rio Grande do Norte”.

Wilma encerrou a entrevista afirmando que irá contribuir com a campanha de Marina. “Percebemos que os eleitores se identificam com as propostas e a história da nossa candidata a presidente, assim como se identificavam com Eduardo Campos. Marina dará prosseguimento à defesa dos ideais que nos une. Isso, claro, tem repercussão no engajamento e na percepção positiva do eleitor nas candidaturas do PSB nos estados e, no Rio Grande do Norte, não é diferente”, finalizou.

Coordenador na campanha: “Marina tem números maiores nas pesquisas internas”

Marina Silva, do PSB, deverá ser mesmo o principal obstáculo a reeleição da presidente Dilma Rousseff, do PT. Pelo menos, foi o que apontou a pesquisa divulgada pelo Ibope nesta terça-feira, e que até colocou a pessebista como uma vencedora no eventual segundo turno contra a petista. “Tudo normal e espero”, pelo menos, para o coordenador da campanha de Marina no Nordeste, o ex-deputado estadual Cláudio Porpino.

“A gente avalia o resultado com prudência, mas já era o esperado. Na verdade, Marina tem números até maiores nas pesquisas internas que temos”, afirmou Cláudio Porpino, em contato com O Jornal de Hoje pela manhã. “Isso é reflexo do desejo de mudança dos brasileiros. Mais de 65% dos brasileiros quere essa mudança. E querem também a quebra do monopólio entre PT e PSDB”, acrescentou Porpino.

Segundo a pesquisa do Ibope, encomendada pelo Estadão e pela Rede Globo, a presidente Dilma estaria com 34% dos votos, à frente da nova candidata do PSB, que obteria 29%, se o primeiro turno da eleição fosse hoje. Uma diferença fora da margem de erro máxima, de 2 pontos porcentuais, vale destacar. O candidato do PSDB, Aécio Neves, somaria 19%. Pastor Everaldo (PSC) e Luciana Genro (PSOL) têm 1% das intenções cada e os outros candidatos somam 1%. Brancos e nulos são 7% e indecisos, 8%.

Na projeção de segundo turno, porém, o crescimento de Marina Silva foi ainda mais acentuado. Afinal, segundo o Ibope, ela venceria a presidente Dilma com 45% das intenções de voto contra 36% da petista. Brancos e nulos são 9% e indecisos, 11%. Em um eventual segundo turno contra Aécio, a presidente teria 41% das intenções de voto contra 35% do tucano. Brancos e nulos são 12% e indecisos, 12%.

“Vamos continuar trabalhando e pretendemos intensificar o sentimento de mudança no Rio Grande do Norte. Amanhã teremos uma reunião nacional com o partido que irá nortear a agenda de Marina Silva”, afirmou Cláudio Porpino, assumindo que existe a possibilidade dela visitar Natal até o final da campanha, contudo, ele prefere não se precipitar nisso, pois o tempo é curto.

“Eduardo Campos queria visitar as 30 maiores cidades em 10 dias, mas no dia que acertamos isso ele veio a falecer. O tempo agora é mais curto, por isso, temos que ver a situação e o que será possível. Apresentaremos uma sugestão de agenda para a coordenação nacional e vamos ver”, explicou Porpino.

Vale lembrar que Eduardo Campos visitou o Rio Grande do Norte duas vezes no período eleitoral e pré-eleitoral. Contudo, Marina Silva não veio a essas visitas. Um dos motivos, segundo comenta-se, seria o mal estar que ela poderia causar por ter sido crítica a aliança do PSB no Rio Grande do Norte como o PMDB de Henrique Eduardo Alves.

Para PT, pesquisa foi boa por confirmar Dilma no segundo turno

“Boa”, mas “contraditória”. Essa foi a avaliação feita pelo presidente municipal do PT, Juliano Siqueira, da pesquisa divulgada pelo Ibope nesta terça-feira. Isso porque, apesar de ser positiva por manter Dilma no segundo turno, o levantamento revelou número “pouco possíveis” com uma vitória pessebista na disputa entre Dilma e Marina Silva. “Até os votos do PSTU foram para Marina, o que eu acho impossível”, analisou Siqueira.

A análise é conseqüência do fato de Marina Silva ter o poder de subir, segundo a pesquisa, dos 29% do primeiro turno, para 45% num eventual segundo, vencendo Dilma Rousseff. “Esse levantamento ficou muito parecido com aquele que mostrou um segundo turno entre Dilma e Aécio e que havia quase um empate técnico e, pouco depois, outra pesquisa foi divulgada com Dilma tendo uma vantagem de quase 10%. Pesquisa é assim mesmo. Se manipula muito”, analisou Juliano Siqueira.

“Há outra contradição no que diz respeito a aprovação do Governo. Dilma aumentou a aprovação. A rejeição de 36% ao nome dela, para mim, já era esperada, porque esse é o percentual da ‘direita’ no Brasil. A ‘direita’ tem algo em torno de 40% do eleitorado”, acrescentou Siqueira.

De qualquer forma, Juliano vê o resultado como positivo. “A pesquisa foi boa por reforçar a idéia que já tínhamos, de Dilma no segundo turno. Porém, agora, provavelmente, contra Marina. Vamos ver o que os apoiadores de Aécio vão fazer quando virem que ele não deverá ir para o segundo turno”, provocou o petista.

Isso porque, para o presidente do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores, a disputa presidenciável deverá ficar mesmo nessa margem. “O PT na última eleição conseguiu 56% dos votos e José Serra (PSDB), 44%. Então, acredito que fique mesmo nisso. Esse é o percentual da ‘direita’ no País”, repetiu Juliano, acrescentando que o PT deverá continuar trabalhando na militância, agora, com o reforço do programa eleitoral.

“Dizem que ninguém assiste o programa eleitoral, mas está dando 50 pontos de audiência. Então, acreditamos que temos mais força e militância para vencer essa eleição”, previu Juliano Siqueira.

“Marina é mais difícil que Aécio porque ninguém sabe o que ela pensa”

Se foi bom por confirmar Dilma no segundo turno e contraditório pelos números de Marina no segundo, a pesquisa mostrou, para Juliano Siqueira, algo mais “perigoso” para o projeto de reeleição do PT: Marina Silva. Afinal, para os petistas, a pessebista é uma adversária mais “difícil”, uma vez que não segue uma coerência no discurso.

“O crescimento de Marina ainda pode ser reflexo da concentração midiática da morte de Eduardo Campos. Porém, ela é, sem dúvida, uma adversária mais difícil que Aécio, porque ninguém sabe o que ela realmente pensa. É contra o capital, mas tem grandes financiadores na campanha. Afirma que é defensora da natureza, mas tem ao seu lado grandes desmatadores. Então, ela não segue uma coerência no discurso”, afirmou Juliano Siqueira.

Uma prova disso, segundo o petista, foi o discurso apresentado por Marina no debate desta terça-feira, exibido pela Band. “Aécio Neves é mais claro. Ele representa aquela ‘direita’ escancarada, assim como Henrique Alves no Rio Grande do Norte. E deixou isso muito claro no debate de ontem que, apesar da baixa audiência, foi bem claro nessa situação”, analisou Siqueira.

As críticas a Aécio Neves, inclusive, não ficaram só nisso. Segundo Juliano Siqueira, o candidato a presidente pelo PSDB foi como um “boneco de cera”, pouco expressivo, tendo um discurso repetido da direita. “De qualquer forma, ainda temos 40 dias de campanha. Temos mais militância e vamos vencer no Rio Grande do Norte e vencer o segundo turno com Dilma, seja quem for o adversário”, antecipou o petista.

Compartilhar:
    Publicidade