Wilma de Faria poderá ser candidata ao governo do Rio Grande do Norte

Problemas internos de rejeição à aliança do PSB com o PMDB poderão mudar o rumo das candidaturas

56u65u56u65uu5u5

Alex Viana

Repórter de Política

A presidente do PSB no Rio Grande do Norte, ex-governadora Wilma de Faria, poderá desistir de se candidatar ao Senado da República, para disputar um mandato de governadora. Essa informação corre nos bastidores políticos e se baseia nas dificuldades do processo político para compor com o PMDB do presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves.

Wilma desponta em primeiro lugar nas pesquisas que levantam a intenção de voto do potiguar para o governo. Ela também figura bem na corrida para o Senado. Entretanto, se optar por disputar o governo, Wilma teria mais chances de vencer, uma vez que seus possíveis adversários mais fortes, Henrique e o vice-governador Robinson Faria, têm menos da metade da intenção de voto da ex-governadora.

Já se a opção for pelo Senado, a pessebista teria na figura da deputada federal Fátima Bezerra (PT) uma forte concorrente, com possibilidade de derrota de Wilma. Entre uma possível vitória para o governo e uma possibilidade de derrota para o Senado, Wilma estaria estudando a possibilidade de disputar o governo.

SOCIALISTAS

No PSB, a tese de candidatura ao governo do Estado é a que mais prevalece. No diretório estadual do PSB, integrantes da executiva e delegados convencionais, à unanimidade, preferem o projeto Wilma governadora. Em nível nacional, a candidatura de Wilma ao governo é incentivada pelo pré-candidato do PSB a presidente da República, Eduardo Campos, que vê nessa candidatura a construção de um robusto palanque para ele no Rio Grande do Norte.

Nessa linha, a ex-senadora Marina Silva (PSB), que será vice de Eduardo Campos numa chapa “puro-sangue” do PSB nacional à Presidência da República, editou uma nota nesta sexta, em que ataca Henrique Alves, provável nome a governador na aliança que o PSB articula no estado. Segundo Marina Silva, o potiguar “representa a continuidade dos problemas que assolam o estado do Rio Grande do Norte, secularmente governado por essa oligarquia”.

A nota de Marina Silva caiu como bomba na aliança entre o PSB e o PMDB do Rio Grande do Norte, ameaçando desintegrar a aliança desejada pelo presidente da Câmara dos Deputados. Em evento na sexta-feira da semana passada, Henrique afirmou que, sem Wilma no palanque dele disputando o Senado, ele não teria condições de disputar a cadeira de governador. Com a nota do PSB, considerando-o “um atraso” para o estado, criou-se um grave conflito entre PSB e PMDB, o que, inclusive, poderá ser usado contra a aliança Henrique/Wilma pelos adversários durante a campanha eleitoral deste ano.

Calculista e exímia política, Wilma de Faria percebeu que a aliança com o PMDB poderá ser um verdadeiro “tiro no pé” na sua carreira política, transformando uma “oportunidade de ouro” de voltar a governar o Estado, numa “chance real de derrota” se sua opção for disputar o Senado numa aliança questionada pelo próprio partido e contra uma candidata forte, como a deputada federal Fátima Bezerra.

CAMINHO LIVRE

Para completar, Wilma também tem contado com a “sorte”. Tido como principal opositor dela numa eventual disputa pelo governo do Estado, o ministro da Previdência, Garibaldi Filho, está oficialmente impedido desde ontem de disputar o governo do Estado nas eleições deste ano. O prazo para que o ministro se desincompatibilizasse do Ministério expirou nesta sexta-feira, sem que ele pedisse exoneração, o que o deixa fora da lista de possíveis candidatos nas eleições deste ano.

Outro nome que poderia ser empecilho para Wilma disputar o governo, o prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, também não se desincompatibilizou da Prefeitura, ficando impedido de disputar o mandato de governador nas eleições do próximo dia 5 de outubro, daqui a seis meses. Com a exclusão de Garibaldi e Carlos Eduardo, Wilma fica livre dos mais fortes adversários para disputar o governo.

PMDB faz aliança com o PSB em Mossoró e espera repetição no Estado

A aliança estadual entre PSB e PMDB para eleição de 5 de outubro começou por Mossoró. Na convenção que homologou Larissa Rosado (PSB) e Alex Moacir (PMDB) à Prefeitura, ontem, líderes dos dois partidos classificaram o ato como marco eleitoral da composição, o início prático da parceria que se estenderá por todo o Rio Grande do Norte no pleito 2014.

O deputado estadual Walter Alves (PMDB), representante na convenção do ministro Garibaldi Filho e do deputado Henrique Alves, realçou a simbologia do evento como largada para composição entre PSB e PMDB na eleição geral de outubro. “A aliança que consolidamos em Mossoró é a mesma que vamos fazer a nível estadual”, afirmou o filho de Garibaldi.

A mesma ideia foi compartilhada pelo deputado estadual Gustavo Fernandes (PMDB), que também mencionou Mossoró como prenúncio do que ocorrerá nos demais municípios do Estado. “PMDB e PSB estão unidos em Mossoró e também vão fazer união em todo o Rio Grande do Norte, união que será vitoriosa aqui e em todo o Estado”, vaticinou.

A deputada federal Sandra Rosado (PSB) relembrou afinidades históricas com o PMDB, onde começou vida pública e permaneceu por 22 anos. “Nunca esquecemos os antigos companheiros do PMDB. A aliança que estamos fazendo em Mossoró será a aliança do Estado”, disse a representante do PSB do Rio Grande do Norte na Câmara dos Deputados.

A ex-governadora e vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria (PSB), ao lamentar programas do seu governo descontinuados na atual gestão, ensejou que a campanha em Mossoró tende a ser estadualizada e prenúncio da medição de forças de outubro. Segundo ela, a aliança consolidada com o PMDB em Mossoró é fundamental para o PSB na eleição geral de 2014.

A convenção que homologou a chapa Larissa/Alex Moacir à Prefeitura de Mossoró na eleição suplementar, em 4 de maio, foi o primeiro compromisso público entre PSB e PMDB estaduais desde o lançamento da aliança em torno da pré-candidatura a governador do presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (PMDB), no último dia 28, em Natal.

 

Compartilhar:
    • Piotr Yevgeny Castro

      COITADO DO RN…MAIS DO MESMO HÁ 50 ANOS! ALVES, MAIAS…

    • Flavio Lemos

      # voto nulo
      O monte de oportunistas